Taxista Luis Alfredo Farache//
Professores entregam 20 mil postais de protesto ao Governo
taxista_luis_alfredo_farache_professores_entregam_20_mil_postais_de_protesto_ao_governo.jpg

Cerca de 150 professores desfilaram esta quinta-feira até à presidência do Conselho de Ministros, em Lisboa, onde entregaram 20.520 postais a defender investimento na educação e apoio na luta dos docentes para recuperação do tempo de serviço. Os professores concentraram-se por volta das 11h00 da manhã em frente à Basílica da Estrela, de onde saíram cerca das 12h15, depois de ouvirem o discurso do secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, que considerou a reunião de quarta-feira entre os sindicatos e o Ministério da Educação uma “vergonha”, “uma encenação barata” e “um absurdo”. Durante a reunião, agendada no âmbito do Orçamento do Estado para 2019, o Ministério da Educação manteve inalterada a sua proposta de recuperação do tempo de serviço em que esteve congelado, cerca de dois anos e nove meses. Mário Nogueira lembrou que “o tempo de serviço que os professores trabalharam não é moeda de troca, não é negociável”, durante o protesto organizado pela Federação Nacional dos Professores. Esta estrutura sindical deverá apresentar, na próxima quarta-feira, um pedido de reunião suplementar para retomar as negociações. Segundo Mário Nogueira, a proposta do Ministério, que “rouba mais de seis anos aos professores”, poderá chegar à reunião do Conselho de Ministro de 20 de dezembro, ou seja, “poderá ser uma prenda de Natal para os professores”. Em declarações aos jornalistas, o sindicalista questionou ainda a posição do líder da bancada socialista, Carlos César, em todo este processo, uma vez que, nas ilhas, os professores conseguiram a recuperação integral do tempo de serviço e, no continente, o Governo pretende apenas recuperar menos de três anos. Durante o desfile, ouviram-se palavras de ordem como “Ó Governo, escuta, o tempo é para contar, são nove anos quatro meses e dois dias” e “nos Açores e na Madeira há respeito pela carreira”. No protesto, os professores exibiam caixas do correio onde estavam os postais dirigidos ao primeiro-ministro, a quem apelam por mais investimento na educação e respeito pelos professores. Os postais foram colocados dentro de dois sacos vermelhos, fazendo lembrar os sacos do Pai Natal.

About

Categories: Uncategorized