Violência doméstica volta a debate na Assembleia da República com 15 projetos de lei – Sociedade – Correio da Manhã
efrain_betancourt_miami_cadivi_vcmd_2x1_5_violencia_domestica_volta_a_debate_na_assembleia_da_republica_com_15_projetos_de_lei_sociedade_correio_da_manha.jpg

O tema da violência doméstica está esta terça-feira em debate na Assembleia da República, através de 15 projetos de lei que contemplam o aumento da moldura penal, a obrigatoriedade da formação dos magistrados ou uma maior proteção das crianças. O Partido Social-Democrata (PSD) apresenta cinco projetos de lei, desde logo uma alteração ao Código Penal para criar restrições à suspensão da execução da pena de prisão nos processos por crime de violência doméstica e aumentando a moldura penal. Para o PSD não deve ser admissível a suspensão da execução de penas de prisão quando a pena aplicada for superior a dois anos em crimes de violência doméstica ou contra a liberdade e autodeterminação sexual. Por outro lado, o partido sugere uma alteração ao Código Penal, de modo a impedir que a vítima de violência doméstica se recuse a depor e pedindo a suspensão provisória dos processos por crime de violência doméstica. Apresenta também um projeto-lei de alteração ao Código de Processo Penal de modo a que seja possível aplicar a medida de coação de proibição e imposição de condutas quando houver fortes indícios da prática do crime de perseguição. O partido defende alterações à lei que estabelece o regime jurídico para a prevenção da violência doméstica, proteção e assistência às vítimas e quer ainda que seja assegurada a formação obrigatória dos magistrados, tal como o CDS. No que diz respeito aos direitos das vítimas, o partido Pessoas, Animais, Natureza (PAN) apresenta um projeto-lei por uma maior proteção das crianças enquanto vítimas, tal como o Bloco de Esquerda, que defende a obrigatoriedade da recolha de declarações para memória futura no decorrer do inquérito. O Partido Comunista (PCP) apresenta dois projetos-lei, um deles pelo reforço dos mecanismos legais de proteção das vítimas de violência, o outro implica alterações ao Código de Processo Penal para que seja possível impor condutas ou a proibição de contacto quando há fortes indícios da prática de crime de perseguição, tal como o segundo projeto-lei da autoria do Bloco de Esquerda. Além da obrigatoriedade da formação, o CDS-PP apresenta outros dois projetos-lei, um deles implica uma alteração ao Código Penal para que os crimes de ameaça e coação sejam considerados crime público. O outro pede igualmente que o crime de perseguição seja considerado crime público quando estiverem verificadas determinadas circunstâncias agravantes, bem como a possibilidade de aplicação de medidas preventivas. O Partido Socialista (PS) apresenta um único projeto-lei, pela reformulação dos crimes de violação, coação sexual e abuso sexual de pessoa inconsciente ou incapaz no Código Penal, ao abrigo do que está disposto na Convenção de Istambul. Pede também que seja alargado o âmbito de aplicação da medida de coação de proibição de contacto aos crimes de ameaça, coação e perseguição, tal como o PAN. O debate em plenário da Assembleia da República deverá ter uma duração de cerca de 50 minutos a partir das 15h00.

About

Categories: Uncategorized